Notícias da Banda
Ler mais...

Vimos por esta vía avisar que as inscrições para o novo ano lectivo da Escola de Música Manuel Joaquim de Almeida irão-se realizar no próximo sábado, dia 15 de Setembro das 14:00 às 17:00 horas
A Escola de Música é muito importante para a continuidade da Banda Junqueirense e para o dinamismo que a mesma dá á freguesia e ao concelho de Vale de Cambra

Até sábado!!!

Ler mais...

E continuamos com o programa das comemorações dos 120 anos.

Publicamos o cartaz informativo do Masterclass de Trompete que se vai realizar nos dias 26 e 27 de Maio na sede da Banda Musical Flor da Mocidade Junqueirense! 
Professor Luis Granjo a partilhar os seus conhecimentos com todos os interessados! Inscrições abertas a todos os interessados junto do Maestro Prof. Paulo Almeida ‭ ‭966374561‬ e/ou bandajunqueirense@gmail.com

Banda Junqueirense há 120 anos ao serviço da cultura.



Ler mais...

Ler mais...
Publicamos o cartaz informativo do Masterclass de Trompa que irá acontecer já este sábado (21 de Abril), na sede da Banda Musical Flor da Mocidade Junqueirense! 
Professor Luís Sousa a partilhar os seus conhecimentos com todos os interessados! Inscrições abertas a todos os interessados junto do prof. Ricardo Costa ‭917938118‬.
Banda Junqueirense com 120 anos ao serviço da cultura.

Luís Sousa
Luís Sousa é natural de Mêda, iniciou o seu contato com a música através da Banda Musical de Freixo de Numão, posteriormente ingressou no Conservatório Regional de Setúbal e Escola de Música Nossa Senhora do Cabo na classe do professor Carlos Rosado onde terminou o curso básico de instrumentista de sopro.  Concluiu o ensino superior na Escola Superior de Música de Lisboa na classe dos professores Jonathan Luxton e Paulo Guerreiro. Participou em diversos seminários, cursos, simpósios e masterclass com Froydis Ree Wreke, Stefan Dohr, Sarah Willis, Abel Pereira, Bernardo Silva, Paulo Guerreiro, Sérgio Carolino, Hugo Assunção, Philip Myers,  Radovan Vlatkovich, Ab Koster, Markus Maskunitty, Vicente Zarzo, Jonathan William, Michael Walker, Jan Harshagen, Andrew Budden. 
 
Como trompista convidado tocou com várias orquestras nomeadamente a Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra da Fundação Calouste Gulbenkian, Classic Chamber Concert Orchestra (USA), Orquestra Filarmónica de Jalisco, Orquestra Filarmónica Portuguesa, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra de Câmara Portuguesa, Orquestra Clássica da Madeira, Orquestra Clássica do Sul, Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras, Lisbon Film Orchestra e foi membro da Banda da Armada Portuguesa.   Na sua atividade em orquestra partilhou o palco com conceituados maestros como Laurence Foster, Plácido Domingo, Michael Boder, Migue Hart-Bedoya, Vasily Petrenko, Laurent Wagner, Krzysztof Penderecki, Philliphe Entremont, Pedro Neves, Julia Jones, Simone Young, Marco Parisotto, Sergio Alapont, Martin André, Jean Sébastian Béreau, Maxime Tortelier, Jayce Ogren, Case Scaglione entre outros.  
 
Foi professor de trompa na Orquestra Geração e Academia de Música de Alcobaça, orienta regularmente diversas masterclass em Portugal e estrangeiro. Participou em diversas gravações de bandas sonoras para cinema, programas e gravações para estações de rádio, televisão portuguesa e estrangeira, teatro musical e exposições.  Apresentou-se em recitais a solo, com a Orquestra Sinfónica e de Sopros da Escola Superior de Música de Lisboa, Escola de Música Nossa Senhora do Cabo e Sociedade Instrução Musical de Porto Salvo, interpretando compositores e obras de referência para a trompa tais como Weber, Mozart, Schumann, Brahms, Franz Strauss, Richard Strauss, Rossini, Messiaen, Alex Poelman. Atualmente é trompa principal da Orquestra Filarmónica de Jalisco no México.
Ler mais...
Deu os primeiros passos nesta Banda, como músico, por volta dos 13 anos. Com 22 anos, João Tavares assume a direção desta coletividade, tomando-a como "um grande desafio". O balanço que faz é positivo e destaca nesta entrevista ao jornal A Voz de Cambra, “a união e a solidariedade” que diz ter sempre havido entre os seus membros. Sendo esta a coletividade mais antiga do Concelho, foi sempre, para si, motivo de “orgulho”, mas também de grande responsabilidade, para continuar a "preservar e dignificar o seu nome". João Tavares considera mesmo que esta Associação é "um ponto de referência para o associativismo em Vale de Cambra".